Pular para o conteúdo principal

Release para imprensa - Clóvis Pereira: No Reino da Pedra Verde

Arte de capa: Luiz Arrais. Foto de capa: Flora Pimentel.

Carlos Eduardo Amaral

Próxima segunda às 19h, na Igreja da Madre de Deus, no Recife Antigo, acontecerá o lançamento do livro Clóvis Pereira - No Reino da Pedra Verde, do jornalista e crítico musical Carlos Eduardo Amaral. O livro editado pela Cepe (Cia. Editora de Pernambuco) está dividido em duas partes: a primeira, um ensaio biográfico com cinco capítulos; a segunda, uma série de listagens sobre a obra e a discografia do compositor, maestro, arranjador e professor caruaruense.

Os cinco capítulos da primeira parte são:

1. O interior e o rádio, que fala sobre a juventude de Clóvis; sua paixão pela música, nascida quando ajudava o pai nos cinemas de Caruaru; sua decisão inarredável de seguir essa paixão; a vinda para o Recife, no final da adolescência; o ingresso na Rádio Jornal do Commercio; o contato com seu maior mentor musical, César Guerra-Peixe, e o início da trajetória no mundo radiofônico e sinfônico.

2. O armorial, onde o foco passa a ser o pensamento estético do movimento e o contexto em que nasceram algumas das principais obras de Clóvis, como a Grande Missa Nordestina, além de ser esclarecida a polêmica sobre a origem do Mourão. Também é mencionada a passagem de Clóvis pela gravadora Rozenblit, sucedendo o maestro Nélson Ferreira.

3. O conservatório, os concursos, os bailes e as bandas, que resume quatro universos aos quais Clóvis se dedicou nos anos 1980: o Conservatório Pernambucano de Música, o qual dirigiu entre 1983 e 1987, o Baile da Saudade os concursos de frevo e a defesa das bandas de música do interior, as conhecidas "filarmônicas".

4. Os Estados Unidos e as novas experiências, que trata dos três anos que Clóvis passou ao lado da esposa Risomar em Boston quando cursava o mestrado em Composição e experimentando novas linguagens musicais. Neste capítulo, são importantes os testemunhos do casal Ana Lúcia e Rafael Garcia, idealizadores do festival Virtuosi, que vivia na mesma cidade norte-americana à época.

5. O reconhecimento, onde os últimos anos são retratados, com as homenagens, encomendas de novas obras, em especial as que foram estimuladas pelo casal Garcia e pelo violoncelista Antonio Meneses, a descoberta pelas novas gerações de músicos recifenses, e o desvendamento do mistério da pedra verde.

A segunda parte contém a lista completa (embora não definitiva) das composições de Clóvis Pereira, incluindo dados sobre instrumentação, dedicatórias, estreia e outras particularidades; comentários estéticos e históricos sobre as obras; a discografia e a iconografia, com fotos de alguns dos principais momentos da carreira e da vida do biografado.

Foto: Claudio Portela/Divulgação.

Texto para a primeira orelha do livro

Clóvis Pereira (Caruaru, 1932) tem sido um músico dividido entre a paixão pela música de concerto e as obrigações como arranjador, maestro e professor, que garantiram o sustento da família. A música clássica veio primeiro, quando Clóvis se encantou pelas trilhas sonoras dos filmes que via no cinema onde o pai trabalhava. O encantamento fez o jovem ajudante de projetista decidir ser músico, contrariando os desejos familiares, e aprender piano popular por conta própria. Depois de chegar ao Recife, no final da adolescência, o contato com o universo radiofônico rendeu prêmios, contratos, empregos e, o mais importante para Clóvis, o aprendizado com o compositor César Guerra-Peixe (1914-1993), de quem herdou o posto de maestro e principal arranjador da Rádio Jornal do Commercio. Mesmo sem nunca ter feito um curso de música, a experiência na rádio e com seu mentor musical lhe deu o conhecimento necessário para ser professor universitário nos anos 1960 e fazer o mestrado nos EUA cerca de 30 anos depois. Nesse meio tempo, Clóvis atuou no Movimento Armorial, produziu e gravou diversos discos, liderou a própria orquestra de frevo e dirigiu o Conservatório Pernambucano de Música. Com a aposentadoria e o estímulo de amigos, seu modesto catálogo de obras sinfônicas e de câmara dobrou, e a ele Clóvis têm se dedicado desde então.


Sobre o autor

Carlos Eduardo Amaral (Olinda, 1980) é jornalista, crítico musical, pesquisador e mestre em Comunicação pela UFPE. Como pesquisador, foi agraciado com bolsas ou prêmios da Funarte, da Facepe e do Ministério da Cultura; organizou a Coletânea de crítica musical – Alunos da UFPE (produção independente, 2010) e colaborou com o livro O ofício do compositor (Editora Perspectiva, 2012). Como jornalista, escreve para a revista Continente, da Cepe, desde 2006 e atuou no festival Mimo entre 2007 e 2014. Atualmente aventura-se pela seara da composição musical e coordena a assessoria de imprensa e comunicação da Orquestra Criança Cidadã ("Orquestra dos Meninos do Coque").


Serviço
Clóvis Pereira: No Reino da Pedra Verde
Autor: Carlos Eduardo Amaral
Editora: Cepe - Cia. Editora de Pernambuco
236 páginas
Preço: R$ 35,00
Diretor com o autor (audicoes@gmail.com) ou com a editora.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porto de Galinhas - mapa/map/carta

Com indicações de hotéis, restaurantes e diversão, esse mapa é prático e útil.

Mulher não canta em falsete

Há alguns dias, o músico Rômulo Bartolozzi protestou - com toda razão - no Facebook contra uma desinformação repetida equivocadamente entre estudantes de música: mulher não canta em falsete, pois o falsete é um artifício da voz masculina para se equiparar ao timbre e à tessitura da voz feminina. Como explica Rômulo:
"Não faz sentido nem por produção, nem por nomenclatura! Falsetto refere-se à voz falsa feminina. É uma nomenclatura que se refere à voz masculina. O que chamam de falsetto feminino é simplesmente voz de cabeça, de que ambos os sexos gozam perfeitamente. E o mecanismo é ligeiramente diferente. Harmonicamente é diferente e a ressonância no corpo é diferente. Faria mais sentido chamar de falsetto feminino notas graves pras mulheres, produzidas artificialmente. (...) Ney Matogrosso é contratenor. Tem dois tipos de contratenor - o falsetista, que são geralmente barítonos ou tenores que tem um falsetto com bom treino o suficiente pra cantar peças nas tessituras de mezzo-…

Partituras armoriais disponibilizadas para download pela Cepe

Semana passada, dia 17, o Conservatório Pernambucano de Música e a Cepe - Cia. Editora de Pernambuco (a imprensa oficial do Estado) lançaram o livro de partituras da Orquestra Armorial de Câmara.

Dividido em três volumes e compilando as partituras de todas as músicas gravadas pela orquestra nos anos 1970 (cinco LPs oficiais mais um oficioso) e 1990 (dois CDs), o livro teve uma equipe de editoração coordenada pelo prof. Sérgio Barza, autor do outro livro lançado na ocasião, acerca da atuação do Conservatório ao longo de seus 85 anos de história.

A novidade é que boa parte das partituras que integram o projeto estão disponíveis para download no site da Cepe (grades mais partes cavadas). Além da importância histórica dessa iniciativa, existe também a preocupação de que a música armorial volte a ser tocada, ouvida e pesquisada em larga escala pelas novas gerações.

Todos os direitos reservados. Permitida a reprodução apenas parcial do texto, salvo outra sob acerto prévio, citando-se a font…